Category: Usabilidade e Serviços

Políticos API

No final de 2015, conversando com o kov (Gustavo Noronha) sobre a minha vontade de criar o “Me representa” (um projeto onde qualquer cidadão poderia ver se o seu representante estava votando como ele esperava), ele comentou que tinha rabiscado uma ideia de ter em um único lugar todas as informações dos políticos e partidos Brasileiros (Esse é um dos grandes problemas que enfrentamos no OlhoNeles.org, porque toda vez que escrevemos um novo coletor precisamos mapear os políticos e os partidos novamente e ainda encontramos vários problemas para identificar os candidatos que muitas vezes são referenciados pelo apelido).

Ideias foram surgindo em volta do tema e a possibilidade de criar uma base de dados e uma linha do tempo de todos os candidatos e partidos políticos Brasileiros pulsaram forte na minha mente. Algo como um Curriculum Vitae do candidato. Qual ano ele foi eleito, qual não foi. Como foi a sua carreira, se ele começou como vereador, virou deputado estatual, prefeito, etc. Quantas vezes ele mudou de partido e quais foram, etc.

Pesquisei e vi que o TSE disponibilizava os dados em formato zip para cada ano. Abrindo o zip, existem vários arquivos em formato texto para cada Estado Brasileiro. Cada arquivo contém as informações sobre as eleições e os dados pessoais dos candidatos.

Sabendo onde estavam os dados eu poderia fazer download de todos os arquivos zip’s que eles disponibilizam (de 1945 até 2014) e processar todos eles, mas seriam várias horas gastas se mais alguém no mundo teve a mesma ideia e processou todos os arquivos.

Pesquisei novamente e vi que vários projetos utilizavam os “dados abertos” do TSE, mas todos eles faziam só a camada de visualização, não disponibilizavam uma forma onde eu poderia usar a base de dados já processada. Fiquei imaginando as inúmeras vezes e horas gastas para reprocessar esses dados em cada projeto devido a escolha do TSE em disponibilizar os dados em formato zip. Se tivessem feito uma API, não seria necessário processar os arquivos e ainda correr o risco de fazer algo errado. Acredito que esses dados seriam muito bem usados em Hackathons pelo país, por exemplo.

Como uma das nossa ideias era também fazer uma camada de API e deixar os dados realmente abertos, não demorou para que eu começasse a escrever uma versão inicial de uma API com os dados do TSE. O código da API é livre e pode ser testado aqui: http://politicos.olhoneles.org

 

Políticos API

Como quero validar a ideia rápido, a base da Politicos API é o framework Django. Por isso optei em usar o Tastypie, que é um framework Python poderoso e altamente personalizável de criação de APIs. Também usei o Swagger, que é uma representação simples mas poderosa de uma API RESTful.

 

Se você esta familiarizado com o Git, basta executar o seguinte comando para fazer download do código:

git clone https://github.com/olhoneles/politicos.git

Caso queria navegar no código fonte, acesse: https://github.com/olhoneles/politicos/

 

Para a primeira versão, coletei os dados das eleições de 2000 até 2014. Se não ocorreu erros, no total concorrem 1.150.792 candidatos únicos, sendo ​841.542 homens, ​309.117 mulheres e 133 não informaram o sexo.

Como uma API é voltada para desenvolvedores, também comecei a desenvolver uma visualização desses dados que pode ser acessada no endereço: http://olhoneles.github.io/politicos-react/

 

Politicos React.JS

 

O que é uma API?

A sigla API refere-se ao termo em inglês “Application Programming Interface” que significa em tradução livre para o português “Interface de Programação de Aplicativos”. Segundo a Wikipedia: “API é um conjunto de rotinas e padrões estabelecidos por um software para a utilização das suas funcionalidades por aplicativos que não pretendem envolver-se em detalhes da implementação do software, mas apenas usar seus serviços”.

 

Dados abertos

Segundo a Open Definition, dados abertos são dados que podem ser livremente utilizados, reutilizados e redistribuídos por qualquer pessoa – sujeitos, no máximo, à exigência de atribuição à fonte original e ao compartilhamento pelas mesmas licenças em que as informações foram apresentadas. (Fonte: Wikipedia)

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Movimente.me – Personal Trainer 2.0, Treinos Online e Fichas de Musculação

Após o rompimento da sociedade FITNOVA, eu, Rafael e César decidimos continuar com um novo projeto e um novo nome. Após alguns meses pensando, escolhemos o nome Movimente.me e a marca:

movimente.me

Conseguimos melhorar e muito a plataforma antiga. Mexemos na usabilidade de todas as páginas, na visualização e nos filtros do catálogo de exercícios e no layout. Lançamos o Movimente.me no dia 02 de Outubro de 2013. Por todo esse trabalho, eu gostaria de agradecer todas as pessoas que nos ajudaram a construir esse novo projeto, em especial Eduardo Loureiro, Marcos Paulo Machado, Guilherme Guerra, Lincoln de Sousa, Gustavo Noronha, VJ Pixel e Pablo Aguiar.

Como funciona?

Após cadastro no site, é necessário preencher um questionário com 15 perguntas para descobrirmos o seu nível de condicionamento físico atual. Terminando essa etapa, temos um segundo questionários com 8 perguntas sobre o objetivos do seu treino. Com os dois questionários respondidos, um treino é selecionado com as suas características. Daí é começar a treinar, movimente-se!

Sobre o Movimente.me:

Uma plataforma de Educação Física a distância que permite a organização, o controle e o acompanhamento para a prática de atividades físicas, podendo ser utilizada tanto por praticantes quanto por profissionais. Sendo onipresente para os usuários, além de simples e a um baixo custo.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Jogo dos 7 erros

Read More

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Usando o GRUB para dar Boot no CDROM

Read More

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Corretor ortográfico pt_BR no debian

Read More

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Servidor Público Jabber-BR

Read More

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

splashy theme

Read More

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Linksys WRT54G e WebCam A4 Tech




Linksys WRT54G

WebCam A4 Tech

No sábado (16/08/2006) comprei um Linksys WRT54G (porque ele aceita GNU/Linux, e logo logo vou colocar) e uma WebCam A4 Tech. Mas só fui brincar com eles no domingo. Foi um experiência divertida.

Pra começar, o laptop que eu uso é um PcChips A530. A placa wireless dele é uma Prism2. Ela é USB e o driver é o linux-wlan-ng .

Bus 001 Device 002: ID 124a:168b AirVast

Para instalar o linux-wlan-ng é preciso baixar o fonte e compilar. Mas no debian, existe o “module-assistant” que é uma ferramenta feita para facilitar a instalação desses módulos que não estão no kernel (ou não podem ser distribuídos compilados). Então é só invocar o “module-assistant” ou fazer diretamente:

module-assistant prepare

 

module-assistant auto-install linux-wlan-ng-modules

E depois carregar o módulo:

modprobe prism2_usb

Com o módulo instalado fui configurar o Linksys. Por padrão, ele vem em modo “opensystem”. MAs meus vizinhos são muito chatos pra eu compartilhar a internet com eles. Então eu deixei o acesso(autenticação) restrito utilizando WEP.

Parti pra configurar o linux-wlan-ng. Nele não tem como setar SSID. É preciso editar o /etc/wlan/wlan.conf, setando o SSID do Linksys que é “linksys”, copiar o /etc/wlan/wlancgf-DEFAULT para /etc/wlan/wlancgf-linksys e dentro do /etc/wlan/wlancgf-linksys configurar o WEP.

Não funcionou de forma alguma. Acabei desistindo do WEP e filtrando o acesso pelo MAC-Address. Wireless no Ninho dos Escorpiões funcionando =)

Com o wireless funcionando eu fui brincar com a WebCam. O driver dela é o spca5xx.

Bus 004 Device 003: ID 0ac8:303b Z-Star Microelectronics Corp. ZC0303 WebCam

Também tive que instalar ele pelo “module-assistant”.

module-assistant prepare

 

module-assistant auto-install spca5xx

Ou:

aptitude install spca5xx-modules-2.6.17-2-686

E depois carregar o módulo:

modprobe spca5xx

E me adicionar com permissão pra acessar o dispositivo de video

addgroup metal video

Driver instalado fui testar abrindo o gnomemeeting. Que travou completamente a máquina. O mesmo aconteceu com o xawtv, camstream e aMSN.

Fiz testes em outras máquinas e não travou. Será que a WebCam não gostou do meu laptop?! Ontem foi lançado o kernel 2.6.18, com várias correções no V4L. Vou compilar e torcer pra resolver esse problema. =P

Atualização:
Utilizando o kernel 2.6.18 a WebCam funcina que é uma beleza. =)

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Serviço de Envio de Email

Read More

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

eu recomendo

Read More

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén